Promessas para 2013!

Esse ano vai ser diferente

Algo em que preciso mudar

Quero mostrar para toda gente

E finalmente elogios escutar

É na semana a começar

Mas espere… tem dia primeiro

Então vou arrastar

Entrou mal, Janeiro

Essa semana não é farta

Estou sem sorte

Começa na quarta

Promessas não são meu forte

Deixa pra próxima

                            [semana

Anthony Cardoso

Professores frente à mercantilização

Na segunda parte da série de reportagens sobre o ensino superior privado, a desvalorização do trabalho docente, o beneficiamento das universidades com o financiamento público, e a urgência da organização estudantil

 19/12/2012

Aline Scarso e Michelle Amaral

da Redação               

 

Dilma, o então ministro da Educação, Fernando Haddad, e o senador José Sarney, durante comemoração de concessão de 1 milhão de Bolsas do ProUni – Foto: José Cruz/Abr

Redução da carga horária, demissões. Essas são as práticas utilizadas pelas instituições privadas para cortar gastos na folha de pagamento dos docentes. No início do segundo semestre de 2011, os alunos do último ano do curso de Jornalismo da Universidade Mogi das Cruzes (UMC), em São Paulo, foram surpreendidos com a notícia de que alguns professores tinham sido demitidos. Eles estavam desenvolvendo o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e entre os docentes dispensados estava justamente o responsável pela disciplina que coordenava a realização dos trabalhos.

Para os estudantes, restou o ônus da nova dinâmica do curso. “Houve uma reformulação dos professores. Nós, alunos, ficamos vários dias sem aulas”, conta o ex-aluno Denis Nunes. Os professores que permaneceram na instituição foram incumbidos de mais funções. Já os profissionais contratados tiveram que se adaptar ao projeto pedagógico em curso e assumiram a orientação dos trabalhos que estavam sendo desenvolvidos.

A justificativa para a demissão dos professores foi a redução da carga horária do curso. Aos docentes chegou a ser ofertada a permanência na instituição desde que com menos horas de aula. Na prática, o que houve na UMC foi a troca de professores antigos por outros mais novos para que a instituição pudesse economizar na folha de pagamento.

O caso da UMC, no entanto, não é isolado. Outras universidades particulares Brasil afora passam pelo mesmo processo. Isto porque, segundo analisa o professor Rafael Souza (nome fictício), estas instituições são regidas pelas leis do mercado, com a priorização do lucro em detrimento da qualidade do ensino. “As direções estão querendo que cada vez mais cursos sejam oferecidos, porém com uma carga horária menor, porque, com isso, conseguem trabalhar com menos professores”, pondera.

Além disso, ao substituir um professor mais antigo por um novo profissional, a instituição reduz gastos na folha de pagamento, já que as vantagens que o primeiro recebia por seu tempo de serviço não serão pagas ao recém-contratado. “Chega um determinado momento em que a instituição acha esses funcionários muito caros, aí começa a substituí-los por mais novos, obviamente contratados com um valor mais baixo”, explica Souza. No final de 2011, a Universidade Camilo Castelo Branco (Unicastelo), em São Paulo, demitiu 16 professores que se negaram a aceitar um novo plano de carreira imposto pela instituição, que reduziria em cerca de 60% o valor da hora/aula. Os novos professores foram contratados com o valor rebaixado, entre R$ 22 e R$ 38 a hora/aula.

Outra prática comum é a troca de docentes com maior titulação por outros com menor. O motivo é a diferença no salário pago conforme a formação do docente, alega o vice-presidente do Sindicato dos Professores de Instituições Particulares de Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes), Valdyr Arnaldo Lessnau Perrini. “Contratam profissionais novos e já não querem mais pagar a gratificação de titulação”, afirma. Do total de docentes nas universidades particulares apenas 15% têm doutorado. Já nas públicas, cerca de 50% dos professores são doutores. Os dados são do Censo do Ensino Superior 2010, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao Ministério da Educação (MEC).

Instabilidade

Perrini explica que os professores das universidades privadas vivem sob constante pressão devido à instabilidade no emprego gerada pela política de rotatividade adotada para reduzir custos. “Os professores se sentem mais acuados, mais temerosos de expressar suas opiniões e isso acaba refletindo na qualidade do ensino, porque se você não estiver naquela linha do empregador, corre o risco de perder o seu emprego”, relata. Diferentemente das universidades públicas, em que os professores têm maior liberdade e independência, “inclusive, ideológica, na medida em que têm estabilidade no emprego e não estão sujeitos ao mau humor do empregador”, analisa Perrini. Dos mais de 378 mil professores do ensino superior do Brasil, 227 mil estão na rede privada, enquanto 150 mil são da rede pública.

Ainda em comparação com as públicas, as instituições particulares investem pouco em pesquisa e extensão. Segundo Perrini, mesmo nas universidades privadas, em que há a obrigação legal de restringir um terço do corpo docente para professores com contratos de regime integral, as horas que deveriam ser utilizadas para pesquisa são usadas com atividades próprias de setores administrativos. “Controles de diversas atividades que deveriam ser feitos por servidores não docentes acabam sendo transferidas para os professores”, diz o sindicalista.

Já os professores contratados com cargas horárias menores, caso queiram participar das atividades de pesquisa e extensão, devem fazê-lo fora do horário de trabalho. “Se esses professores buscam titulação ou se aperfeiçoar, é uma questão pessoal deles e que independe da instituição”, completa o professor Rafael Souza. Ele relata que nos noves anos de seu exercício docente em universidades particulares, nenhuma instituição o incentivou a procurar por mais especialização ou titulação. “Se eu quiser estudar, se quiser produzir artigos para publicar, se quiser participar de congressos, tudo sai do meu bolso”, conta.

Além da falta de apoio, a remuneração paga por essas instituições aos docentes também é insuficiente. Conforme reforça Perrini, presidente do Sinpes, o salário é muito baixo para o que se exige do professor, porque ele não tem apenas que ir trabalhar, tem que se preparar, comprar livros, se titular.

Não existe, entretanto, um piso salarial para os docentes do ensino superior privado. Dessa forma, os valores pagos pela hora/aula variam de acordo com a instituição e a titulação dos professores. Segundo a assessoria de imprensa do Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro), com base nos dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) das instituições privadas de São Paulo referentes ao ano de 2010, a média salarial dos professores da graduação foi de R$ 3.799,17. Nas universidades públicas, os docentes de período integral recebem cerca de R$ 7 mil.

Fonte: Brasil de Fato

Por que a carreira docente não é atraente?

Nesta segunda-feira (15/10), Dia do Professor, o IG publica uma reportagem interessante, de Priscila Borges, a respeito da carreira docente, cujo título é: ”Salários baixos provocam fuga de professores da carreira”. A matéria traz depoimentos de profissionais de ensino e links relacionados ao tema.

No geral, o texto de Priscila é bem elaborado e informativo. No entanto, deixou de lado aspectos fundamentais que envolvem os profissionais de ensino, ou seja, situações que vão além de salários. Melhor dizendo: a questão salarial é apenas a ponta do imenso iceberg dos problemas e desafios da educação. É preciso trazer à tona os obstáculos e os conflitos – da carreira do magistério – para que a sociedade saiba e compreenda, em profundidade, o que vem acontecendo.

Por sua vez, a repórter tem razão ao afirmar que a baixa remuneração é desestímulo para os novos talentos. Saldo: faltam profissionais de ensino, em todo o país, para lecionar as diversas disciplinas. A cada ano que passa, muitos alunos terminam o ano letivo sem ter assistido uma única aula de algumas matérias.

A verdade é que a maioria dos docentes são obrigados a sobreviver com um salário insuficiente para suas despesas e manutenção digna de sua família. Por essa razão, muitos trabalham em até quatro escolas. Ante essa condição desfavorável, os professores não podem comprar revistas, jornais, livros e não se atualizam. Há muitos que não possuem um computador. Ainda assim, infelizmente, existem políticos e burocratas de educação, que compartilham da ideia que o profissional não precisa de boa remuneração para poder desenvolver um bom trabalho e sobreviver.

Violência Escolar

Quem conhece, de perto, o cotidiano da escola, sabe que educação envolve questões profundas e variáveis complexas. Por exemplo, a questão da violência. Na maioria das vezes, é ocultada. Professores e alunos são as maiores vítimas. O problema não para por aí. Em classe, o professor percebe, claramente, o comportamento agressivo de seu aluno. Essa agressividade é o reflexo das dificuldades vividas pelas famílias. Entre elas, o alcoolismo, o drama do desemprego, o consumo de alucinógenos e a desestruturação familiar.

De outro lado, nem sempre, os professores são respeitados pelos gestores – há exceções – pelos alunos e pelos responsáveis. Muitas famílias não assumem suas obrigações. Querem que a escola eduque seus filhos. Assim, o profissional tem de lidar, diariamente, com crianças e jovens sem limite. Há casos de alunos que se sentem ofendidos quando o professor chama sua atenção. Isso é pretexto para ameaça de morte. Outra situação recorrente e perigosa: alguns alunos não aceitam a nota que obtiveram nas avaliações.

Pois bem! É na sala de aula que o professor é aviltado mais ainda. Desse jeito, acaba se tornando mero figurante. Muitos se sentem isolados e impotentes no exercício da função. Há diretores que, diante dessa e outras situações, preferem fingir que tudo está bem. Dessa forma, não resolvem os casos mais graves de violência. É comum, também, o gestor criticar a maneira como o docente desenvolve o seu trabalho em sala, porém, o mesmo inadmite opinião desfavorável ao seu trabalho. Em retaliação, o educador passa sofrer assédio moral do gestor.

Diante da dificuldade de lidar com um cotidiano violento, situações estressantes e problemas de difícil resolução, muitos educadores se afastam do trabalho. Em maioria, depois de certo tempo, passam a apresentar sintomas de depressão e transtorno ansioso.  Leitor, em sua opinião, por que os mestres faltam muito ao trabalho?

Mídia e Discurso Oficial

Quanto a grande mídia, lamentavelmente, está ao lado do poder. Do discurso oficial. Sua postura revela uma verdadeira apatia e total desinteresse em relação aos problemas da escola pública. Tem mais, é comum a mídia responsabilizar os professores pelo fracasso escolar. Outro inconveniente muito usado pela mídia é o de responsabilizar os docentes como os maiores vilões da educação.

Um bom exemplo disso é a forma como a construção da notícia é feita em relação à escola. A informação é veiculada de forma maldosa e sensacionalista. Quem não se lembra da Escola de Base? Em 1994, os donos da Escola de Base, Icushiro Shimada e Maria Aparecida Shimada, um pai de um estudante e o motorista da perua escolar foram acusados de abusarem sexualmente dos alunos. As denúncias eram infundadas. Na realidade, a mídia deixa de cumprir o seu papel que é de informar quem está do outro lado da tela. Por que isso acontece? Porque vivemos num país de nível cultural baixo. Dessa forma, a mídia eletrônica reina soberana. Comete abusos e transgressões terríveis.

Dessa forma, perante a sociedade civil, os educadores são malvistos. Quanto aos governantes permanecem em berço esplêndido. Não pesam sobre eles críticas desfavoráveis. Afinal de contas, contam com as benesses do poder e a bajulação de boa parte da mídia. É uma troca de interesses. É por isso que não sofrem críticas e deixam de ser cobrados por tudo o que deixam de fazer. É como afirma Eugênio Bucci: ”Pois fora da crítica não há saída”.

Outra coisa: a mídia deveria ouvir os professores e deixar que falem. Não há canais de comunicação para que haja interação com a sociedade. Os profissionais de ensino não podem ser abandonados ao descaso, aliás, necessitam de apoio, da sociedade civil e demais instituições organizadas, para que possam fazer um bom trabalho.

Não é novidade que, prefeitos e governadores, tratam os docentes com total desprezo. Afinal, educação não tem o devido valor e não é prioridade, de fato, neste país. Se fosse, não teríamos chegado ao ponto que estamos. Um exemplo: muitos prefeitos e governadores se negam a pagar o Piso Nacional do Magistério (de R$ 1.451), que é referente à jornada de 40 horas semanais. Exceto os compromissados com a educação, não resta dúvida que os políticos são os maiores adversários da educação pública neste país. Não serve como justificativa, portanto, o argumento de que falta dinheiro para o pagamento do piso.

Educação de Qualidade                                            

Uma boa escola pública não é utopia. É possível.  É mais que giz e lousa. É preciso também: ambiente seguro, salas de informática, boas condições pessoais para os profissionais, fim da promoção automática, cursos de qualificação para os docentes, bons salários, envolvimento dos responsáveis, recursos didáticos e investimento do poder público. Sem isso, seguramente, não teremos qualidade.

Então, por que a educação – em boa parte da rede pública – não funciona neste país? Certamente, está claro para o leitor que são muitos os obstáculos. Eles são a somatória de questões que abordamos no texto e outras mais. Entre eles, citamos: salário baixo, indisciplina, violência, estresse causado por excesso de ruído na classe, vandalismo escolar, péssimas condições de trabalho, desinteresse dos pais e discentes pelo aprendizado, ambiente inseguro, salas superlotadas, ausência de plano de carreira e gestão antidemocrática. Por outro lado, não devemos nos iludir e imaginar que na escola particular não existe problema. Que tudo é perfeito. Na realidade, o educador enfrenta dificuldades e desafios semelhantes aos da escola pública.

Por fim, há quem diga que a educação pública pode mudar e melhorar se os diversos atores – governantes, professores, pais, sociedade civil, Ministério Público e a mídia – fizerem uma parceria. Do contrário, sem o envolvimento efetivo de todos, vamos continuar assistindo a triste tragédia anunciada que se encontra a educação brasileira. Finalmente, quem se interessa pela educação pública e seus desafios, vale a pena assistir o filme: ”Carregadoras de Sonhos”.

Ricardo Santos é professor de história e jornalista

Russomanno e o Estado laico: controvérsias na prática

As eleições para prefeito estão chegando e a peculiaridade nesse ano é a ascensão de Celso Russomanno (PRB) ao primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto. Segundo alguns eleitores, a escolha de Russomanno se deve a imagem do candidato “novo”, que ajuda os pobres, justamente pelo seu histórico: nos anos 90, o candidato foi repórter do Aqui e Agora do SBT, veiculando reportagens sobre defesa do consumidor e, de fato, muitos casos foram solucionados devido a sua intervenção. Ou seja: caso Russomanno seja eleito, sua vitória estará ligada a uma espécie de retribuição do eleitorado paulistano.

Porém, o que os eleitores deixam em segundo plano é o que vêm ocorrendo em mais um capítulo da nossa história política brasileira: a influência da religião pelos meandros das eleições em nossa democracia. Russomanno já admitiu o apoio da IURD (Igreja Universal do Reino de Deus) como também, o apoio da Igreja Assembleia de Deus, das igrejas católicas, além de “um monte de igrejas”, conforme veiculado em reportagem do portal Terra, que pode ser visualizado aqui. Desse número, a igreja católica, mais especificamente a Arquidiocese de São Paulo recentemente desmentiu a afirmação de Russomanno. Com uma nota divulgada na sexta-feira, dom Odilio Scherer criticou a aliança do candidato com a IURD e provocou: “Se já fomentam discórdia, ataques e ofensas sem o poder, o que esperar se o conquistarem pelo voto? É para pensar”.

A corrida dos candidatos por votos “religiosos” (principalmente daqueles que frequentam igrejas de tendência pentecostal e neo-pentecostal) nos últimos anos tem se tornado prática recorrente. A característica mercadológica e motivacional das igrejas evangélicas atualmente é importante para a busca por fiéis e a difusão pelos meios de comunicação é uma ferramenta decisiva que seria prejudicada caso um mandatário proibisse tais práticas.

A liberdade religiosa é importante, pois reflete uma das faces da democracia em sua estruturação, porém, a leitura que os dois lados – tanto os líderes religiosos quanto os fiéis – fazem da política é errônea e tendenciosa. O voto do eleitor é utilizado para galgar o candidato ao posto de seu representante e o mandato como concretização das propostas prometidas, para uma perspectiva futura, não como gratidão a um passado limitado a poucas pessoas. Além disso, a figura do Estado laico desaparece mediante a religiosidade da política.

Anthony Cardoso

Entenda as diferenças entre sunitas e xiitas

Olá!

Faz algum tempo que não posto. Diversas coisas tem me ocupado o tempo, mas, felizmente disporei um espaço maior para publicação de textos meus e de sites relacionados.

Esse presente artigo mostra de uma forma didática e simples a formação histórica e religiosa dos sunitas e xiitas e suas respectivas diferenças. A matéria originalmente foi disponibilizada aqui

A guerra civil na Síria é marcada cada vez mais pela oposição entre sunitas e xiitas, simbolizados na Arábia Saudita e no Irã. A disputa entre as duas correntes muçulmanas remonta aos primórdios do Islã.

Se o próprio profeta Maomé tivesse definido sua sucessão antes de sua morte, no ano 632, a situação poderia ser diferente. Mas como isso não aconteceu, a então jovem comunidade islâmica se fragmentou apenas 30 anos após a morte do profeta.

A maioria pendeu para o lado dos muçulmanos, que ficaram conhecidos mais tarde como sunitas. Num segundo grupo reuniram-se os seguidores de Ali ibn Abi Talib, primo e genro de Maomé. Trata-se do Shi’at Ali (partido de Ali), do qual mais tarde surgiram os xiitas. Até hoje os xiitas estão em minoria, estimados entre 10% a 15% dos cerca de 1,6 bilhão de muçulmanos.

Naquele ano de 632, tratava-se sobretudo de determinar corretamente o sucessor do profeta, segundo o estudioso do islamismo Lutz Berger, da Universidade de Kiel. Ele diz que, no início, havia um conflito político, que envolvia a definição do sucessor e interesses de grupos. “A esse conflito político sobrepuseram-se questões religiosas.”

Prisão do pregador xiita xeque Nimr Bakir al-Nimr na Arábia Saudita

Antigos jogos de poder

Na disputa pela sucessão legítima do profeta Maomé havia inicialmente quatro califas “corretamente orientados”, escolhidos por decisão da maioria. Para a escolha dos califas, era de grande importância – para a maioria dos muçulmanos – que eles pertencessem ao clã dos coraixitas, de onde se origina Maomé.

Por outro lado, os seguidores de Ali eram da opinião de que o sucessor do profeta deveria vir da família de Maomé. Isso foi justificado com o argumento de que o próprio Deus teria designado Ali como sucessor e Maomé teria registrado isso por escrito antes de sua morte. Os sunitas teriam suprimido essa regra de sucessão do Alcorão. Desde então, a acusação de adulteração do Alcorão entrou em cena, não tendo sido retirada até hoje.

Ali, que segundo Berger era muito ambicioso, não se conformou por não ter podido, a princípio, impor-se como sucessor do profeta. Finalmente, no ano 656, ele foi escolhido como o quarto e último califa “corretamente orientado”. Seu poder durou apenas cinco anos, até ser vítima de um atentado.

Em Damasco, centro recém-formado do poder islâmico na época, o clã familiar dos omíadas assumiu a liderança sobre o mundo islâmico no ano de 660. Os seguidores de Ali controlavam o poder na província vizinha, onde hoje é o Iraque.

Em 680, o filho mais novo de Ali, Hussain ibn Ali, assumiu a liderança de um levante contra a dominação dos omíadas, tendo sido morto no mesmo ano e enterrado em Karbala. Esse é o marco inicial da divisão definitiva entre sunitas e xiitas, bem como do culto ao martírio, característico dos xiitas.

Paquistão: sunitas na província do Baluchistão

Hostilidade ancestral

“De certa forma, os xiitas são os perdedores da história”, disse Berger. Ali e seus seguidores não conseguiram se impor perante toda a comunidade islâmica. Disso teria resultado a sua visão negativa do mundo e possivelmente também a visão de mundo própria dos xiitas, caracterizada pelo conceito da dor e de uma forte expectativa de salvação.

Para os xiitas, os líderes religiosos, os imãs, são escolhidos por Deus. No final dos tempos, virá um salvador que estabelecerá um reino divino de justiça. A crença nos imãs é uma das principais diferenças frente aos sunitas. Para os xiitas, o imã é um mediador entre Deus e o crente, pois somente o imã conhece o sentido oculto do Alcorão, tendo por tarefa transmiti-lo à comunidade.

Os ensinamentos do imã são infalíveis. Para os xiitas, as palavras dele têm a mesma autoridade que o Alcorão. Para muitos sunitas isso se aproxima da heresia. “Os xiitas são acusados de deificar o ser humano, ou seja, Ali, cunhado e sucessor do profeta. Também aceitam figuras sobre-humanas, afastando-se assim do princípio básico do Islã de que existe somente um Deus e de que pessoas não devem ser veneradas.”

Enquanto os xiitas veem a si mesmos, durante séculos, como os perdedores por verem recusada a sua participação no domínio secular, os sunitas tiveram êxito desde o início. “Eles conseguiram integrar a figura de Ali em sua visão da história”, diz Berger. Os sunitas conseguiram minimizar os conflitos do período inicial e desdenhar os xiitas como agitadores.

Apesar de sunitas e xiitas se definirem pela sua rejeição mútua, como afirma o estudioso do Islã, ao longo da história eles alternaram fases de convivência pacífica com confrontos de motivação religiosa.

Os atuais conflitos políticos no mundo islâmico têm muitas vezes um fundo religioso e seguem, em parte, as tradicionais linhas da divergência religiosa entre sunitas e xiitas. Há muitos exemplos disso, como as guerras civis na Síria ou no Iraque ou o longo conflito latente entre a Arábia Saudita e o Irã, único país onde o xiismo é religião oficial de Estado.

Maioria de sunitas

Há cerca de 1,6 bilhão de muçulmanos no mundo. Desses, estima-se que 85% a 90% sejam sunitas. Dados exatos inexistem porque em muitos Estados não há levantamentos sobre a filiação religiosa. Além disso, muitos xiitas que vivem num meio de orientação não xiita evitam declarar abertamente sua filiação religiosa.

Os países da África do Norte até o Saara são principalmente ou inteiramente sunitas, da mesma forma que a Arábia Saudita, a Indonésia e Bangladesh. Também a Síria e os territórios palestinos são predominantemente sunitas.

O Irã é o único país onde o xiismo é a religião do Estado. Há também maioria populacional xiita no Iraque e no Barein. No Líbano, cerca de um terço da população é xiita. Há também notável participação xiita entre os habitantes do Afeganistão, do Kuwait, do Paquistão e da Síria.

Autora: Sabine Hartert-Mojdehi (ca)
Revisão: Marcio Pessôa / Alexandre Schossler